Boeing 737 desaparece após decolagem na Indonésia

0

Boeing 737 desaparece após decolagem na Indonésia

750_boeing-737-indonesia-boeing-aviao_2021199112492
O Boeing 737-500 é um modelo que entrou em operações comerciais em 1990 e que foi produzido até o ano 2000| Foto: Divulgação

A companhia aérea indonésia Sriwijaya Air perdeu o contato com uma de suas aeronaves de passageiros, um Boeing 737-500, depois de sua decolagem neste sábado, 9, em Jacarta, informou o Ministério dos Transportes.

“O contato foi perdido com um avião da Sriwijaya, que realizava o trajeto entre Jacarta e Pontianak (na ilha de Bornéu)”, disse um porta-voz do ministério, Adita Irawati. Cerca de 62 pessoas estavam a bordo da aeronave, incluindo 10 crianças, e 12 tripulantes, de acordo com o ministério dos Transportes.

“Enviamos nossas equipes, assim como embarcações, para a área onde há suspeita de queda do avião após perder contato” com a torre de controle, disse Bambang Suryo Aji, chefe da Agência Nacional de Busca e Resgate.

O local para onde as equipes de resgate foram enviadas fica perto de algumas ilhas turísticas, na costa da capital indonésia. O voo doméstico que sai do aeroporto internacional Jacarta Soekarno-Hata normalmente leva 90 minutos para chegar a Pontianak. Mas o avião em questão desapareceu do radar logo após a decolagem sobre o mar de Java.

Pescadores entrevistados pela televisão Kompas disseram ter encontrado destroços na área das 1.000 ilhas perto da capital, mas não há informações oficiais sobre sua origem.

O site Flightradar24.com registrou uma queda de altitude de 3.000 metros em menos de um minuto. Os registros mostram que o 737 chegou a atingir 11 mil pés cerca de 4 minutos após a partida, porém, em menos de um minuto sua altitude rapidamente desceu a zero sobre a Baía de Jakarta, ainda próximo do litoral.

Também é possível notar que a velocidade, que estava em cerca de 300 nós, caiu para 115 nós e então voltou a disparar para mais de 350 nós nos segundos finais do recebimento dos dados.

O Boeing 737-500 é um modelo que entrou em operações comerciais em 1990 e que foi produzido até o ano 2000. Segundo dados do Airfleets, o jato específico desta ocorrência, o PK-CLC, foi fabricado em 1994, portanto, possui pouco mais de 26 anos de uso.

A companhia aérea de baixo custo disse que está investigando o incidente, assim como os serviços de resgate. Em outubro de 2018, 189 pessoas morreram quando um Boeing 737 MAX caiu no mar de Java, 12 minutos após a decolagem.

Este acidente e outro envolvendo o mesmo modelo na Etiópia, foram atribuídos a defeitos técnicos e a fabricante foi condenada esta semana a pagar multa de 2,5 bilhões de dólares por ter enganado as autoridades no processo de aprovação deste modelo.

Os 737 MAXs ficaram sem voar por 20 meses após esses dois acidentes que deixaram 346 mortos, antes de serem novamente autorizados a operar em alguns países no final de 2020.

O setor de aviação civil na Indonésia passou por várias tragédias nos últimos anos, e muitas companhias aéreas indonésias foram proibidas de operar na Europa e nos Estados Unidos no passado.

Em 2014, um avião da AirAsia conectando a cidade indonésia de Surabaya a Singapura caiu com 162 passageiros a bordo. Os investigadores concluíram que houve erro humano e problemas técnicos.