Cem vezes Brasil: Seleção enfrenta Camarões por vaga em jogo histórico

0

Jogador Neymar JR
neymar_treino_mowa_95

Cem vezes Brasil: Seleção enfrenta Camarões por vaga em jogo histórico
Na centésima partida em Copas do Mundo, basta o empate ao Brasil para avançar às oitavas de final em casa e enriquecer sua história de gols, títulos e heróis no torneio

Os brasileiros já rezaram por Preguinho, Leônidas, Ademir, Pelé, Zico, Romário, Ronaldo, Neymar… Já secaram iugoslavos, suecos, tchecos, italianos, alemães, franceses… Já gritaram gol ao som do rádio, em frente à televisão, agora com a imagem e as informações da internet. Milhões de famílias já se reuniram para torcer pela Seleção de branco, azul, amarelo… Um ritual repetido a cada quatro anos que será feito, nesta segunda-feira, pela centésima vez.
A importantíssima partida contra Camarões será a de número 100 do Brasil em Copas do Mundo. Uma honra para torneio e país, que se completam. A Seleção é a única a ter disputado todas as edições, a maior vencedora, com cinco títulos, mas não poderá viver de passado nesta segunda-feira. O duelo contra os africanos, às 17h (de Brasília), vale a classificação para as oitavas de final. Um empate basta, mas o primeiro lugar depende também do resultado de Croácia x México, no mesmo horário, na Arena Castelão, em Recife, pois a liderança da equipe de Felipão se dá apenas pela vantagem de um gol de saldo para mexicanos e um ponto em relação aos croatas. Uma dose de emoção à qual o povo não está acostumado tão cedo em Mundiais, logo no terceiro jogo.

No rico e próspero casamento da Seleção com a Copa do Mundo, o craque Neymar busca trilhar os caminhos de Ronaldo, o maior artilheiro do torneio, com 15 gols. Cafu, quem mais entrou em campo, 10 vezes. Pode até se inspirar em Mané Garrincha, que dá nome ao Estádio Nacional, palco da partida.

camaroes_x_brasil_ficha_apresentacao_2 (1)

Brasília será a 49ª cidade a receber os jogadores brasileiros na história da competição. Ninguém imagina algo diferente da 69ª vitória e dos gols 214, 215, 216… O currículo verde e amarelo ensina a pensar grande. Pensar que, justamente na Copa em casa, a equipe pode assumir a liderança deste ranking. A Seleção chegou a 2014 com um jogo a menos do que a Alemanha. No fim da primeira fase, estará 101 a 100 para os europeus.
Se até a decisão, no dia 13 de julho, o time comandado por Felipão fizer uma partida a mais que o rival, vai igualar o número. Se forem duas, vai ultrapassar. Vale a receita mais antiga de todas, usada desde o primeiro jogo, no dia 14 de julho de 1930: torcer e secar.

Informações do G1