Em jogo com polêmicas e expulsões, Bahia arranca empate heroico contra Goiás e sai do Z-4

0

Em jogo com polêmicas e expulsões, Bahia arranca empate heroico contra Goiás e sai do Z-4

750_ecbahia-goias-seriea-campeonato-brasileiro-brasileirao-futebol_2020101622191071
O Tricolor subiu uma posição e terminou a rodada em 16º colocado, fora da zona de rebaixamento| Foto: Felipe Santana/ EC Bahia

Quem assistiu o primeiro tempo de Bahia e Goiás, nem imaginaria o desfecho que o duelo teria ao fim dos 90 minutos. Com uma arbitragem polêmica de Rodrigo Carvalhaes de Miranda, marcada por cinco expulsões, Esquadrão e Esmeraldino empataram em 1 a 1, na noite desta sexta-feira, 16, no estádio Hailé Pinheiro, em Goiânia. O jogo foi válido pela 16ª rodada do Brasileirão Série A.

Os gols da partida foram marcados por Vinicius Lopes, pelo Goiás, no início da etapa final. Após uma série de confusões, Fessin conseguiu encontrar o gol de empate, nos acréscimos, em um momento onde o Bahia tinha um jogador a menos na partida. Com o “gol salvador”, o Tricolor subiu uma posição e terminou a rodada em 16º colocado, fora da zona de rebaixamento.

Com pouco tempo de descanso, o Bahia já tem compromisso marcado para esta segunda-feira, 19. O desafio do Esquadrão será às 20h, diante do Atlético-MG, líder do campeonato, no estádio de Pituaçu, em Salvador. O duelo é válido pela 17ª rodada do certame.

Primeiro tempo

Com extrema falta de criatividade na construção de jogadas, Goiás e Bahia fizeram um primeiro tempo abaixo da crítica, no estádio Hailé Pinheiro. A passividade esboçada pelas equipes, que começaram a 16ª rodada no Z-4, não demonstrava o contexto de “preciso vencer” que o duelo estava inserido na tabela de classificação do Brasileirão Série A.

Se conseguir trabalhar a bola para chegar no gol adversário, o Goiás tentou as finalizações à distância. Aos 13 minutos, Shaylon arriscou de fora da área mas Douglas defendeu sem dificuldades. Aos 20, após vacilo de Juninho Capixaba, Vinícius Lopes teve a chance de abrir o placar, só que bateu muito fraco e desperdiçou a chance.

Os dois times insistiam nos erros bobos de passe e na falta de dinamismo para tentar furar um dos bloqueios. O Goiás tinha mais posse de bola, mas não conseguia converter a estatística em superioridade técnica ou tática. Por sinal, mesmo pecando no último toque, quem conseguia trabalhar um pouco mais rápido a bola para tentar chegar na meta adversária, era o Bahia.

Pelos lados do campo, Clayson e Rossi eram constantemente acionados com o intuito de tentar uma progressão em velocidade, para pegar a defesa do Esmeraldino desarmada, mas sem nenhum sucesso na maioria dos casos.

O jogo atravessava um momento tão complicado tecnicamente que um erro de Clayson foi capaz de protagonizar um dos pontos altos dos primeiros 45 minutos. Aos 40, o atacante foi tentar dominar uma bola, completamente livre de marcação, mas ele se enrolou todo e deixou ela sair pela linha lateral.

Antes de Rodrigo Carvalhaes de Miranda apitar o fim do primeiro tempo, o Bahia conseguiu construir sua primeira chance de perigo. Aos 43, Rossi avançou em velocidade pela direita e encontrou Clayson dentro da área. No entanto, o atacante tricolor foi travado na hora da conclusão, mantendo o empate sem gols na etapa inicial.

Segundo tempo

Nenhuma das equipes resolveu mexer para o segundo tempo. No entanto, a conversa de Enderson Moreira no vestiário pareceu ter ligado o disjuntor do Alviverde goiano, que começou os primeiros minutos mais ligado na partida. No primeiro minuto, Shaylon tentou validar a “Lei do Ex”, mas carimbou a zaga do Esquadrão.

Dois minutos depois, após passe em profundidade de Keko, Shaylon foi novamente acionado. O meia avançou rápido pela esquerda e cruzou rasteiro para Vinícius Lopes só ter o trabalho de empurrar para dentro do gol defendido por Douglas Friendrich e abrir o placar na capital goiana.

Com o baque do gol sofrido, o Tricolor começou a tentar sair mais para o jogo. Assim, a resposta tentou vir aos 12 minutos, após Elias recebeu a bola dentro da área e finaliza por cima do gol defendido por Tadeu. Cinco minutos depois, o volante recebeu novo passe, dessa vez um pouco mais atrás, mas concluiu novamente por cima da meta.

Para tentar melhorar o sistema ofensivo, Mano Menezes fez duas mexidas em sequência. O comandante decidiu sacar os atacantes Gilberto e Clayson, para dar lugar a Saldanha e Élber, respectivamente. Mesmo assim, que apareceu no ataque foi novamente Elias. Aos 22, o volante apareceu livre de marcação para cabecear, mas a bola passou pela linha de fundo.

A situação do Bahia começou a degringolar aos 28, quando Rossi recebeu cartão amarelo e foi substituído para dar lugar ao jovem meia Fessin. Após a saída de campo, o atacante reclamou com a arbitragem e recebeu o vermelho. Como a substituição já havia sido efetuada, o Tricolor não ficou com um a menos na partida.

No entanto, cinco minutos depois, Élber ficou na bronca com o árbitro, após não receber uma falta em lance que poderia ser perigoso para o Esquadrão. Na reclamação, o juiz mostrou o cartão vermelho para o atacante do Bahia. Além dele, o auxiliar do técnico Mano Menezes, Sidnei Lobo, também foi expulso por reclamação.

Mesmo em desvantagem, o Bahia não queria se render. Aos 42, após bate e rebate dentro da área, a bola sobrou novamente com Elias, mas o volante finalizou para fora. Aos 44, Fessin recebeu a bola dentro da área e foi tocado por trás, mas, ao analisar o árbitro de vídeo, o juiz decidiu não marcar a penalidade. Por reclamação, o técnico do Goiás, Enderson Moreira, também recebeu o cartão vermelho.

O Bahia fazia uma blitz no sistema defensivo goiano. Parecia que quem possuía um jogador a menos era o Esmeraldino. Aos 47, em cobrança de falta, Juninho obrigou Tadeu a fazer grande defesa. No entanto, no lance seguinte, o goleiro do Goiás não conseguiu defender a bola finalização de Fessin, empatando o placar e dando números finais à partida. Após o apito final, o técnico do Bahia, Mano Menezes, também foi expulso pelo árbitro.

A TARDE