Em Pituaçu, Bahia perde primeira em casa no Brasileiro

0

Em Pituaçu, Bahia perde primeira em casa no Brasileiro

750_ecbahia-santos-serie-a-brasileirao-futebol-esporte_201971321459974
PARTIDA VÁLIDA PELA 10ª RODADA DA SÉRIE A DO BRASILEIRÃO, REALIZADA EM SALVADOR | FOTO: ADILTON VENEGEROLES | AG. A TARDE

Enquanto coroas relembravam a infância com o show de Sandy e Júnior na Fonte Nova, o Bahia amargava sua primeira derrota como mandante neste Brasileiro – vinha com aproveitamento de 100%. Diante do Santos, teve de jogar em Pituaçu, foi mal durante a maior parte do tempo e acabou levando 1 a 0.

Tudo foi resolvido em lances capitais nos últimos minutos. Primeiro, Gilberto perdeu um gol inacreditável. Logo depois, em pênalti cometido por Guerra, Sánchez fez o gol do triunfo do Peixe. Guerra ainda torceu o joelho na jogada e deixou o Esquadrão com um a menos nos instantes derradeiros.

O meia passa a ser um problema para o encontro com o Grêmio valendo vaga na semifinal da Copa do Brasil. O jogo será na quarta-feira, numa Fonte Nova com o gramado castigado pela euforia dos fãs da ex-dupla mirim. No Brasileirão, o Tricolor caiu para a 10ª posição e pode perder mais um lugar até o final da rodada.

Pouca emoção

Depois de uma bela partida contra o Grêmio, na última quarta, o torcedor do Bahia teve que engolir um primeiro tempo muito fraco do time em Pituaçu. Não só do Esquadrão como também do Santos, o que proporcionou 45 minutos iniciais de pouca ou nenhuma emoção.

O técnico tricolor, Roger Machado, arriscou uma escalação com dois armadores no meio-campo: Eric Ramires e Shaylon, que teve sua primeira chance como titular em três meses. Apesar da boa técnica dos dois atletas, faltou inspiração e organização, e o time não conseguiu criar. Também falhou muito na saída de bola, sempre no pé dos zagueiros. O volante Gregore, fora por cansaço muscular, fez falta.

O domínio foi amplo do Santos, que teve 65% de posse de bola, mas a equipe da Vila foi ainda menos perigosa que o Bahia. Só tentou sua primeira finalização aos 25 minutos, quando Diego Pituca isolou de muito longe. Já o Esquadrão, que não encaixava os contra-ataques, forçando as jogadas em Artur, provocou suspiros em lances pela esquerda.

Aos 26, em boa saída do centro da área, Fernandão cruzou rasteiro e Arthur Caíke quase conseguiu tocar para o gol. Cinco minutos depois, Moisés cruzou e a bola sobrou novamente para Caíke. Porém, seu chute desviou no meio do caminho e a bola perdeu a direção. Aos 36, Artur ajeitou para Ramires, que errou feio na conclusão.

O Santos só conseguiu assustar nos minutos finais. Aos 37, após erro de Ezequiel, que substituiu Nino, machucado, Victor Ferraz avançou e bateu de fora. Douglas espalmou. Na cobrança do escanteio, Uribe cabeceou com perigo. Aos 42, Sánchez arriscou em cobrança de falta. Passou perto.

A segunda etapa começou um pouco mais movimentada. E o Bahia viveu seu melhor momento na partida nos minutos inaugurais. Aos cinco, Arthur Caíke puxou bom contra-ataque e tocou para Artur, mas ele finalizou mal. No minuto seguinte, Artur cobrou escanteio e Juninho testou por cima. Aos 11, Artur foi lançado por Shaylon, entrou na área, mas carimbou a marcação. Logo depois, Ezequiel pegou sobra na área e concluiu em cima do goleiro Everson.

O Esquadrão parecia perto do gol e, aos 18 minutos, com a entrada de Guerra no lugar do apagado Shaylon, as coisas pareciam que iriam melhorar ainda mais. Mas pioraram. O Santos começou a apertar e teve três oportunidades consecutivas. Aos 22, Soteldo foi ao fundo e cruzou. Eduardo Sasha testou firme para um milagre de Douglas. Dois minutos depois, Jean Mota cruzou e Lucas Veríssimo cabeceou na trave. Aos 28, Sánchez acionou Jorge, que mandou bomba por cima da meta.

Já com os titulares Élber e Gilberto, que iniciaram o jogo no banco num descanso para o confronto de quarta, o Bahia teve a grande chance aos 38 minutos, justamente com seu artilheiro. Élber fez ótima tabela com Elton e cruzou para Gilberto, com o gol aberto. Só que ele usou o peito e errou o alvo.

O castigo pelo desperdício veio logo depois, com o pênalti cometido por Guerra em Sánchez. O mesmo Sánchez cobrou aos 42, Douglas defendeu, mas o uruguaio anotou o tento da vitória no rebote.

A TARDE Por Daniel Dórea | Foto: Adilton Venegeroles | Ag. A TARDE