Golpe do WhatsApp: uso do Pix dificulta recuperação do dinheiro

0

Golpe do WhatsApp: uso do Pix dificulta recuperação do dinheiro

370x250_dae-pix-bc-banco-central-empregadores-domesticos_202111510235940
Os estelionatários conseguem sacar ou movimentar a quantia rapidamente, sem dar tempo da vítima conseguir cancelar a operação| Foto: Marcello Casal Jr| Agência Brasil

Apesar de representar um avanço nas formas de pagamento, a agilidade do Pix também atraiu a atenção de criminosos que invadem contas do WhatsApp para pedir dinheiro aos contatos da lista. Com o Pix, que permite transferências rápidas e gratuitas a qualquer dia e horário, os estelionatários conseguem sacar ou movimentar a quantia rapidamente, sem dar tempo da vítima conseguir cancelar a operação.

De acordo com algumas vítimas, ouvidas pelo UOL, depois de realizarem a transferência se torna difícil conseguir o retorno do dinheiro. Principalmente porque os bancos se recusam a fazer o retorno, já que a própria pessoa autorizou a transferência depois de cair no golpe.

Especialistas em direito do consumidor dizem que não existe uma obrigação legal de o banco ressarcir a vítima, mas que há decisões judiciais que favorecem tanto instituições financeiras quanto os usuários do serviço bancário.

A TARDE