Sem sustos, Bahia vence na Ressacada, afunda o Avaí e entra no G-6

0

Sem sustos, Bahia vence na Ressacada, afunda o Avaí e entra no G-6

750_avai-x-bahia_201993022376818
Nino autor do segundo gol comemora com os companheiros

Sem levar sustos, o Bahia conseguiu o seu terceiro triunfo fora de casa na Série A do Brasileirão. Na noite desta segunda-feira, 30, o Tricolor bateu o Avaí por 2 a 0, na Ressacada, em partida válida pela 22ª rodada. O resultado colocou o Esquadrão no G-6, zona de classificação à próxima edição da Copa Libertadores.

O Bahia também emplacou sua segunda vitória seguida, porque tinha vencido o Botafogo. Agora soma 37 pontos, em sexto lugar. Já o time catarinense chegou à 12ª derrota, se igualando em número a Fluminense e Chapecoense, os outros clubes que mais vezes perderam. O Avaí continua com apenas 16 pontos, em penúltimo lugar e seriamente ameaçado de voltar para a Série B.

O jogo

Apostando no trabalho psicológico para esquecer os 6 a 1 levados em Porto Alegre diante do Grêmio, o técnico Alberto Valentim montou o Avaí para atacar o Bahia. Tanto que ameaçou aos seis minutos, quando Lourenço bateu de fora da área e o goleiro Douglas se esticou no lado direto para mandar a escanteio.

De outro lado, Roger Machado tinha prometido armar o Bahia cauteloso, mas confirmou a presença do meia-atacante Guerra e de um trio ofensivo. Além disso, liberou o lateral Nino Paraíba para usar sua velocidade pelo lado direito. Por lá surgiram as melhores chances baianas.

O primeiro gol aconteceu após uma triangulação dentro da área, entre Artur, Gilberto e Élber, que finalizou no canto de Lucas Frigeri: Bahia 1 a 0 aos 24 minutos.

O segundo gol aconteceu aos 27, quando Nino Paraíba recebeu do lado direito e, sem marcação, arriscou o chute. Deu sorte, porque a bola desviou em Igor Fernandes e atrapalhou a trajetória, enganando Lucas Frigeri.

Por alguns momentos, o time da casa se perdeu em campo. O Bahia dominou o jogo e poderia até ter ampliado o placar. A polêmica do duelo aconteceu aos 42 minutos, quando Matheus Barbosa pegou a rebatida da defesa e balançou as redes. A arbitragem, porém, anotou o impedimento de Lourenço, que tinha dado o chute anterior. Quem mais reclamou foram aqueles que estavam no banco do Bahia, alegando que Nino Paraíba teria sido desarmado com falta no início da jogada.

Na volta do intervalo, o Avaí apresentou duas mudanças com as entradas do volante Mosquera e do experiente meia Douglas nos lugares, respectivamente, de Pedro Castro e Matheus Barbosa. O objetivo de Alberto Valentim era equilibrar as ações no setor e tentar buscar o empate.

Realmente o Avaí ganhou em volume e passou a pressionar o visitante. Tanto que aos 15 minutos Roger tirou Guerra para a entrada do volante Ronaldo, em uma troca para reforçar o sistema de marcação. Aos 17 minutos, o goleiro Douglas Friedrich operou um “milagre”. Após escanteio, Douglas desviou bem de cabeça e o goleiro tirou com as pontas dos dedos. A bola iria no ângulo.

Mas o que parecia ser o início de uma reação parou por aí. O Bahia segurou mais a bola em seus pés e soube se defender, garantindo a vitória. A torcida avaiana não perdoou e vaiou seus jogadores.

O Avaí volta a campo no domingo, às 19 horas, contra o CSA, no estádio Rei Pelé, em Maceió, em confronto direto na luta contra o rebaixamento. No sábado, às 19 horas, o Bahia receberá o Athletico-PR, na Fonte Nova. Os dois jogos são válidos pela 23.ª rodada.

Estadão Conteúdo e A TARDE| Foto: Roberto Zacarias/ Mafalda Press/ Estadão Conteúdo