Tardelli faz 2 e Brasil leva Superclássico; veja os gols

0

 

Tardelli faz 2 e Brasil leva Superclássico; veja os gols
650x375_selecao-brasileira-argentina-superclassico-das-americas-futebol-esporte_1455170

No duelo entre os craques Neymar e Lionel Messi, companheiros de Barcelona, quem brilhou no Superclássico das Américas, neste sábado, foi o atacante Diego Tardelli. No Estádio Ninho do Pássaro, em Pequim, o jogador do Atlético Mineiro marcou os gols da Seleção Brasileira no triunfo por 2 a 0 sobre a Argentina, assegurando a conquista do torneio para a equipe dirigida por Dunga.
Titular nos amistosos anteriores da Seleção sob o comando do treinador, diante de Colômbia e Equador, ambos vencidos por 1 a 0, Tardelli ainda não havia brilhado e feito gols pelo Brasil. Mas se destacou exatamente em um dos principais clássicos do futebol mundial, assim como o goleiro Jefferson, que defendeu um pênalti quando o Brasil vencia apenas por 1 a 0.
Dessa forma, Tardelli foi decisivo para que o Brasil repetisse as conquistas de 2011 e de 2012 do Superclássico das Américas, a remodelada Copa Roca. Nessas duas outras vezes, porém, o torneio era disputado em jogos de ida e volta, mas com a presença apenas dos jogadores que atuavam no Brasil e na Argentina.
Dessa vez, com as forças máximas, a Seleção Brasileira voltou a se dar melhor diante dos argentinos, como rotineiramente acontecia na passagem anterior de Dunga pelo comando da equipe.
Além disso, agora o treinador soma três vitórias nos três jogos que dirigiu o Brasil, todos eles contra equipes sul-americanas e sem sofrer gols. O próximo compromisso da Seleção Brasileira será na próxima terça-feira, às 7h45 (horário de Brasília), diante do Japão, em Cingapura.
g_selecao-brasileira-argentina-superclassico-das-americas-futebol-esporte_1455165

O JOGO
Os minutos iniciais da partida foram ruins para o Brasil. A equipe foi dominada pela Argentina, que adiantou a marcação e finalizava várias vezes. Na mais perigosa delas, aos 19 minutos, Lamela passou para Di María. Na entrada da área, ele bateu colocado, com a bola passando bem perto do ângulo da meta defendida por Jefferson.
Com dificuldades, o Brasil apelava seguidamente para as faltas, como a que provocou um cartão amarelo a David Luiz em entrada dura em Messi. E em outro lance, a arbitragem ignorou um pênalti cometido por Miranda em Agüero.
Mas, ao poucos, a Seleção deixou de ficar tão acuada e abriu o placar logo na sua primeira oportunidade de gol. Aos 27 minutos, Oscar levantou na área, Federico Fernández afastou mal, e Tardelli chutou de primeira e marcou um belo gol, abrindo o placar da partida.
O gol puniu a superioridade da Argentina, que falhou nas finalizações, e não alterou muito o panorama do confronto, com os argentinos tendo mais posse de bola e o Brasil apostando nos contra-ataques. Em um deles, aos 31 minutos, Neymar disparou em velocidade, entrou na área, tirou o goleiro Romero, mas finalizou sem força e para fora, desperdiçando ótima chance de ampliar o placar.
Depois, aos 38 minutos, quando o Brasil já não era tão pressionado, a arbitragem marcou um pênalti de Danilo em Di María. Aí, Jefferson, que chegou a ser dúvida para o Superclássico das Américas por causa da luxação em um dedo, brilhou. Messi bateu no canto direito e o goleiro Jefferson fez a defesa e assegurou que o Brasil fosse ao intervalo vencendo por 1 a 0.
A Seleção voltou bem no segundo tempo e teve boa chance para ampliar o marcador logo aos três minutos, quando Filipe Luís recebeu passe de Neymar na cara do gol, mas finalizou para fora. A Argentina até respondeu com Di María, mas não conseguia ter mais o domínio que apresentou no primeiro tempo, pois a equipe estava muito bem posicionado no sistema defensivo.

A Tarde/ Leandro Silveira Estadão conteúdo