Uneb informa que ajudará nas investigações da Operação Prometheus

0

            Uneb informa que ajudará nas investigações da Operação Prometheus. Operação prendeu duas pessoas

xIMAGEM_NOTICIA_5.jpg.pagespeed.ic.T5Ztu7xSjQ
Em nota divulgada à imprensa nesta quinta-feira (14), a Universidade do Estado da Bahia (Uneb) lamentou que o nome da instituição esteja vinculado a indícios de ilicitudes da Operação Prometheus, e afirma que “colocará à disposição das autoridades competentes para contribuir com todas as investigações que se fizerem necessárias”. Nesta quarta-feira (13), a segunda fase da operação, realizada pela Secretaria de Segurança Pública (SSP) da Bahia, resultou em mais duas prisões e cumprimento de sete mandados de busca e apreensão. A Uneb está ligada às investigações por conta do envolvimento de um ex-reitor da universidade no esquema de desvio em verbas públicas em um convênio. A instituição informa que os convênios e aditivos celebrados entre a UNEB, a Prefeitura Municipal de Salvador e a ONG Pierre Bourdieu, realmente foram firmados e executados no período de 2011 a 2013. Os documentos são os mesmos arquivados na universidade”.

                         Operação prendeu duas pessoas por desvios na secretaria de Educação na era JH
xIMAGEM_NOTICIA_5.jpg.pagespeed.ic.wOFzNqL4Gq
A segunda fase da Operação “Prometheus”, deflagrada na madrugada desta quarta-feira (13), resultou em mais duas prisões e cumprimento de sete mandados de busca e apreensão. A operação investiga suposto esquema de desvio em verbas públicas em um convênio de mais de R$ 120 milhões, que envolve a Secretaria de Educação do Município de Salvador – à época do ex-prefeito João Henrique -, um ex-reitor da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) e a Organização Não-Governamental (ONG) Pierre Bourdieu. A Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA) divulgou os nomes das pessoas presas nesta quarta por lavagem de dinheiro: Hane Adriele Sanches Alves e Patrícia Santos Ramos. “O que apuramos até agora é que o grupo atuava usando notas falsas para comprovar pagamentos que não eram realizados. O dinheiro, que deveria ser destinado à educação, era desviado para os integrantes do esquema criminoso”, explica o promotor de Justiça Raimundo Moinhos, em nota. Com o mandado de busca e apreensão, houve o recolhimento de documentos, computadores e outros equipamentos de mídia.

Da redação InformaBahia/ Informações do BN