Vitória fica atrás duas vezes, mas busca empate com Avaí na Ressacada

0

Vitória fica atrás duas vezes, mas busca empate com Avaí na Ressacada

750_ecvitoria-avai-serieb-brasileirao-futebol-esporte_2021113211714857
Fernando Neto e Léo Ceará marcaram para o Rubro-Negro| Roberto Zacarias/ Malfada Press

O Vitória lutou e buscou o empate contra o Avaí, em 2 a 2, na noite desta quarta-fera, 13, no estádio da Ressaca, em Florianópolis. Apesar da entrega, o resultado fez o Leão chegar a quinta partida consecutiva sem vencer na competição. Os gols do confronto foram anotados por Valdívia e Jonathan, para o time catarinense, enquanto Fernando Neto e Léo Ceará marcaram para o Rubro-Negro.

Com o placar em Santa Catarina, o Vitória segue bastante ameaçado da zona de rebaixamento. A diferença para o Z-4 passou a ser de dois pontos, mas, com o triunfo do Paraná diante o CSA, o Rubro-Negro ‘ganhou’ mais um adversário direto para se preocupar na tabela. Atualmente, o time comandado por Rodrigo Chagas ocupa a 16ª posição, com 38 pontos.

O próximo compromisso rubro-negro será contra a Chapecoense, no próximo domingo, 17, às 16h, no estádio Manoel Barradas, em Salvador, pela 35ª rodada do Brasileirão Série B. O time de Chapecó chega na capital baiana já classificado para a elite do futebol nacional, após vencer o Figueirense no último jogo, mas na luta pelo título com o América-MG.

‘Sufoco’ catarinense

Com quatro mexidas entre os titulares, a principal surpresa estava na opção pelo volante Gerson Magrão, bastante criticado pela torcida. Apesar das modificações, a primeira chegada aconteceu para os donos da casa, aos 4 minutos, em finalização do atacante Rômulo que Cesar caiu para encaixar sem dificuldades.

A progressão do time comandado por Rodrigo Chagas era bastante dificultada pela forte marcação catarinense, resultando em muitos passes errados. Se o Vitória não conseguia criar, o Avaí chegava com perigo. Aos 11, em cobrança de escanteio, o atacante Ronaldo cabeceou muito próximo a meta rubro-negra. No lance seguinte, Valdívia arriscou de fora da área e exigiu ótima defesa de Cesar.

Depois de três chances, a quarta foi fatal para o Leão. Em nova cobrança de escanteio, aos 15, a bola passou por todo mundo e sobrou novamente para Valdívia, que emendou o chute e estufou as redes e abrir o placar. O ponto fraco do Vitória seguia sendo as bolas aéreas. Dois minutos depois, o volante Ralf subiu sozinho para cabecear e Cesar defendeu firme.

Passado o sufoco inicial, o Leão tentou avançar suas linhas para levar algum perigo à meta adversária. Aos 25, após boa trama ofensiva, Léo Ceará caiu dentro da área em disputa de bola e ficou pedindo pênalti, mas o árbitro mandou seguir. Mesmo com mais posse de bola, a dificuldade de infiltração era evidente do time baiano que, em 30 minutos, não tinha nenhum chute a gol.

A primeira finalização rubro-negra só apareceu aos 32, após lançamento de Fernando Neto para Léo Ceará, que tentou pegar de primeira e mandou mascado à meta de Gledson, sem nenhum perigo. Dois minutos depois, veio a resposta do Avaí em chute de Rômulo que passou por cima do travessão.

O primeiro tempo caminhava para o final e as duas equipes começavam a demonstrar grandes dificuldades na construção de jogadas, esbarrando nas marcações e abusando dos erros de passe. A frente no placar, o Avaí precisou apenas administrar a vantagem e esperar o apito de Rodrigo Carvalhaes, sinalizando o fim da etapa inicial.

Reação rubro-negra

No segundo tempo, Rodrigo Chagas quis colocar o time mais para frente e sacou o volante Gerson Magrão, para colocar o atacante Caíque Souza. A mudança fez efeito e, logo no primeiro minuto, em boa trama ofensiva, Vico encontrou Fernando Neto que tocou para o fundo das redes e empatou a partida.

Apesar do gol, os minutos seguintes não foram de nenhum brilhantismo das equipes. Com o Vitória brigando para não cair e o Avaí querendo buscar o acesso, o jogo parecia não representar as ambições de ambas as equipes. Assim, a oportunidade de ataque seguinte só veio aparecer aos 22 minutos, em lançamento de Vico para Thiago Lopes cabecear à esquerda do gol catarinense.

Para dar mais movimentação na última faixa do campo, o comandante rubro-negro sacou Vico, já cansado, e colocou Alisson Farias, que voltou a atuar em uma partida depois de quase três meses lesionado. Aos 24, o próprio Alisson Farias fez a diagonal pela esquerda e rolou para Fernando Neto, que finalizou de fora da área e mandou por cima da meta de Gledson.

O Vitória começava a ter mais volume de jogo na Ressacada, buscando mais as jogadas pelas laterais e as bolas alçadas na área, que exigiam a participação do arqueiro catarinense. O Avaí apresentava dificuldades na construção e, quando conseguia levar algum perigo na segunda etapa, foi em tentativas do meio da rua, sem levar perigo para Cesar.

Aos 32, quando tudo parecia se desenhar de forma favorável para o Leão da Barra, o Avaí arrumou um contra-ataque fulminante que resultou em três jogadores do time catarinense contra apenas um de defesa do Vitória. No lance, Cesar ainda chegou a defender a primeira finalização, mas, na sobra, o atacante Jonathan teve apenas o trabalho de empurrar para o gol.

O time catarinense começou a ameaçar o Rubro-Negro e chegou com perigo em duas oportunidades nos minutos finais, com Jonathan e Renato, aos 43 e 44, mas que pararam nas boas defesas de Cesar. Nos acréscimos, o Vitória ainda conseguiu nova reação, aos 46, em cabeçada de Léo Ceará, empatando a partida.

Após o gol, Rodrigo Chagas tirou Matheus Frizzo e Rafael Carioca para colocar Lucas Cândido e Leockovic. Antes do apito final, aos 49, o atacante Alisson Farias ainda teve a oportunidade de virar a partida, mas mandou à esquerda do gol de Gledson, terminado a partida em 2 a 2.

A TARDE Por Alex Torres