Vitória perde para o Avaí na estreia de Barroca o seu novo treinador

0

Vitória perde para o Avaí na estreia de Barroca o seu novo treinador

750_valdivia-avai-vitoria_2020101018133624
O Leão estaciona nos 18 pontos e vê o grupo que briga pelo acesso à Série A se distanciar cada vez mais| Foto? adilton Venegeroles/ Ag. A TARDE

Com direito a gol no começo do jogo, dois pênaltis no primeiro tempo e virada de placar com a apenas 17 minutos de bola rolando, Vitória e Avaí fizeram um duelo eletrizante no primeiro tempo, neste sábado, 11, no Barradão, em partida válida pela 15ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. E quem se deu bem no jogo maluco foi o time catarinense, que venceu a partida por 2 a 1. O duelo marcou a estreia do técnico rubro-negro Eduardo Barroca.

Com o resultado, o Rubro-Negro agora soma quatro jogos sem vencer, sendo três derrotas dentro de casa. O Leão estaciona nos 18 pontos e vê o grupo que briga pelo acesso à Série A se distanciar cada vez mais.

O Vitória volta a campo no próximo sábado, quando visita a Chapecoense na Arena Condá. Enquanto o Avaí já atua nesta terça-feira, quando recebe o CSA na Ressacada.

Alucinante

Vitória e Avaí não deixaram nem os seus respectivos torcedores se acomodarem na poltrona para animar as coisas no Barradão. Logo aos 1 minutos, no primeiro lance do jogo, Ewandro se livrou da marcação e chutou por cima do gol de Lucas Frigeri.

Para ser apenas um ensaio do grito de gol do Rubro-Negro, que conseguiu festejar menos de dois minutos depois. Após cobrança de escanteio de Carleto, a bola ficou viva na área do Leão da Ilha. Na sobra, o zagueiro João Victor não vacilou e mandou a bola para o fundo das redes. Esse foi o terceiro gol do defensor baiano.

Mas não deu nem tempo da nação rubro-negra comemorar, porque aos 7 minutos o árbitro Marcos Mateus Pereira sinalizou penalidade máxima a favor do Avaí. A bola bateu na mão do zagueiro Wallace. Valdívia foi para a cobrança e empatou a partida em Salvador. Tudo igual no Barradão.

Após o gol, o time catarinense ganhou confiança e foi para cima. O Vitória sentiu claramente o golpe e se perdeu por alguns instantes. O suficiente para levar a virada. Em uma bobeada na saída de bola do Leão, o Avaí se aproveitou. Getúlio cruzou na área, e a bola resvalou no braço de Guilherme Rend. Pênalti!

O camisa 10 Valdívia foi para a cobrança, mais uma vez, e não desperdiçou. Vira-vira no Barradão com apenas 17 minutos de bola rolando.

O segundo gol sofrido fez o Rubro-Negro baiano despertar para o jogo. E aí começou uma chuva de chutes de média distância e de bolas alçadas na área. Wallace, Fernando Neto e Carleto soltaram a bomba, mas não conseguiram furar a meta de Lucas Frigeri.

Quem levou mais perigo foi Leo Ceará. Após bola alçada na área por Carleto, o camisa 9 testou para baixo e a bola tirou tinta da trave.

Banho-maria

Atrás no placar, o Vitória do estreante Eduardo Barroca voltou com tudo, mas com dificuldades para entrar na área do Avaí nos primeiros minutos da segunda etapa, o jeito foi continuar arriscando de longe. E, de uma falta do meio da rua, Carleto deu trabalho ao goleiro Frigeri, que teve de espalmar a bola.

O Leão baiano só voltou a ameaçar aos 17, novamente com Carleto em cobrança de falta. O goleiro Frigeri, mais uma vez, espalmou.

Com as substituições de Barroca, o Vitória passou a atuar numa espécie de 4-2-4, com Fernando Neto e Rend na proteção da defesa e Mateusinho, Vico, Leo Ceará e Júnior Viçosa no ataque. Dessa forma, o time perdeu criatividade e ficou exclusivamente dependente de bolas longas e áreas.

Valdívia quase marcou o terceiro dele em um rápido contra-ataque, na sequência, Pedro Castro perdeu.

A TARDE Por Rafael Tiago Nunes